Segunda Alma

Mortificado,

Sombrio e

Mórbido…..

Frio, esquecido no esquife sórdido,

No silêncio da dor e no vazio de alma,

Rodeiam os coros em alto tom destrutivo,

E não altivo,

E o soprano estridente se liberta da vida…

Disciplinada em partituras impressas e desgastadas,

Porque com ela não combina…

E assim, o corpo observado sem pressa,

Pelos olhos de quem contesta,

A imóvel esperança, agora funesta…

E devolve, com as mãos estendidas,

O pergaminho rabiscado de paixão e ternura,

Sem amargura,

Para a segunda alma que tanto procura,

E devolve a voz àquela alma,

Outrora muda,

Agora, escancarada e desnuda!

 

Créditos de Imagem: https://www.google.com.br/search?biw=1600&bih=794&tbm=isch&sa=1&q=alma+carregando+outra+alma&oq=alma+carregando+outra+alma&gs_l=psy-ab.3…36202.40382.0.40564.26.23.0.0.0.0.315.2759.0j11j4j1.16.0.dummy_maps_web_fallback…0…1.1.64.psy-ab..10.5.974…0j0i67k1j0i5i30k1j0i8i30k1.0.PPiHqqlAQT8#imgrc=WQUWAf_0EpSjZM:

Comentários

Comentários